alvo

Qual é o seu alvo?

Como você descobre que parte do Corpo de Cristo você representa? Já houve que dissesse: “Você não é o que você pensa que é, e você não é o que os outros pensam que você é. Porém é comum se tornar aquilo que os outros pensam que você é”. em outras palavras: nós nos tornamos o reflexo da percepção que as outras pessoas tem de nós. A verdade é que com o passar do tempo nós nos transformamos naquilo que a pessoa mais importante da nosso vida pensa que devemos nos tornar.

Há um completa falta de identidade no meio cristão em nossos dias. Falta-nos a capacidade de sermos capazes de revelar as pessoas ao nosso redor a identidade e personalidade que Deus nos concedeu de forma única e insubstituível.

Que triste isso, o tempo, a sociedade, os amigos e até as instituições humanas vão nos roubando a identidade e o direito a singularidade.

Nosso alvo de mudança aqui na terra deve partir da introdução do caráter de Cristo em nós e da prática desse caráter em nossa existência!

Abraços.
Pr. Daniel Moura

refinado

PROVAÇÃO – Como ouro refinado no fogo!

 

 

refinado

Mas quem suportará o dia da sua vinda? E quem subsistirá, quando ele aparecer? Porque ele será como o fogo do ourives e como o sabão dos lavandeiros.   E assentar-se-á como fundidor e purificador de prata; e purificará os filhos de Levi, e os refinará como ouro e como prata; então ao SENHOR trarão oferta em justiça. Malaquias 3:2

O ouro é Provado Provérbios 17:3 “O crisol é para a prata, e o forno para o ouro; mas o Senhor prova os corações”

Crisol – recipiente das máquinas fundidoras, onde se derrete o metal; O ouro, quando encontrado pelo garimpeiro, aparentemente não tem nenhuma beleza. Só depois de purificado no fogo realça sua cor e seu brilho, tornando-o valioso.

Um encontro indesejável, porém necessário. A pepita de ouro, em seu estado bruto, pode ser irreconhecível para a maioria das pessoas. Sua forma é irregular. Por estar coberta de sujeira, seu brilho é mínimo ou até ausente. Assim, ela é desvalorizada, desprezada, abandonada e esquecida. Contudo, a aparência não invalida sua essência.  O especialista reconhece e valoriza seu potencial. O garimpeiro escolhe a pepita entre tantas pedras do rio ou escava a terra à sua procura. Seu coração se alegra ao encontrá-la. Ela é separada e recolhida com todo cuidado.

A pepita pode ser lavada, mas esse ato remove apenas a sujeira exterior. Em seguida, ela é conduzida ao fogo que, com temperatura altíssima, derrete o ouro. Pode parecer que, ao final, nada restará. Seria o fim da pepita? De certo modo, sim. A mudança é tão drástica que o nome deixa de ser apropriado. O calor do fogo faz com que o ouro se derreta, tirando-o de seu estado bruto e duro. Ocorre, então, a separação entre o precioso metal e as outras substâncias que estavam nele incrustadas. Muitas delas serão consumidas pelo fogo. Outras serão removidas. Terminada a purificação, o ouro derretido, aceita a forma que o ourives desejar, seja ela qual for. O metal está totalmente flexível e maleável. Ao final, o resultado será uma barra de ouro puro ou uma jóia preciosa. Agora, o ouro terá mais beleza, valor e utilidade.

Este processo ilustra bem a nossa experiência com Deus. Jesus veio ao mundo em busca do homem perdido que, como uma pepita de ouro, encontrava-se contaminado, por dentro e por fora. Defeituoso pelo pecado,dá pra imaginar um travesti, uma prostituta uma pedra de grande valor, nós não enxergamos isso mais Deus enxerga. Ainda que todos nos desprezem, o Senhor nos valoriza.

Quando somos alcançados pelo Evangelho, começa em nós um processo de transformação. Algumas mudanças são imediatas, mas outras podem demorar. O sofrimento que nos sobrevém é comparado ao fogo. “Para que a prova da vossa fé, mais preciosa do que o ouro que perece, embora provado pelo fogo, redunde para louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo” (I Pedro 1.7). As tribulações, que parecem destruidoras e ameaçam nos consumir, ajudarão no aperfeiçoamento do nosso caráter. As lutas da vida nos ensinam lições que, de outro modo, não aprenderíamos (Dt.8.3).”Também gloriemo-nos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz perseverança, e a perseverança a experiência, e a experiência a esperança” (Rm. 5: 3-4).

I Pedro 4:12  Amados, não estranheis a ardente prova que vem sobre vós para vos tentar, como se coisa estranha vos acontecesse;

Por meio do fogo, o Senhor vai retirando de nós aquilo que não condiz com a Sua vontade. São males que não fazem parte da nossa alma, ainda que estejam nela arraigados. A remoção dos corpos estranhos parece perda, mas é livramento. Enquanto a sujeira sai, o peso diminui, mas o valor aumenta. Quando estamos no fogo, pensamos que, ao final, nada restará. Não conseguimos entender ou controlar o que está acontecendo. Parece que chegou o nosso fim, mas é apenas o começo de uma nova fase.

Queremos evitar os sofrimentos da vida. Em alguns casos, isso pode ser possível, mas não completamente. Sempre que pudermos evitar o pecado, evitaremos também os sofrimentos que ele produz (I Pe 4.15). Entretanto, muitas tribulações nos sobrevirão, ainda que não tenhamos cometido um pecado imediato ou diretamente relacionado a elas. O ouro precisa encontrar-se com o fogo. Afinal, não existe outra forma de purificá-lo a fundo. Através do sofrimento, não pagamos nossos pecados nem obtemos perdão, mas ele contribui para a nossa maturidade e mudança de caráter.

“Amados, não estranheis a ardente provação que vem sobre vós para vos experimentar, como se coisa estranha vos acontecesse; mas regozijai-vos por serdes participantes das aflições de Cristo; para que também na revelação da Sua Glória vos regozijeis e exulteis. Se pelo nome de Cristo sois vituperados, bem-aventurados sois, porque sobre vós repousa o Espírito da Glória, o Espírito de Deus. Que nenhum de vós, entretanto, padeça como homicida, ou ladrão, ou malfeitor, ou como quem se entremete em negócios alheios; mas, se padece como cristão, não se envergonhe, antes glorifique a Deus nesta parte” (I Pedro 4.12-16).

Se pudéssemos evitar todo sofrimento da vida, também evitaríamos o processo de purificação e aperfeiçoamento do caráter. O apóstolo Pedro, em sua primeira epístola, enfatiza duas palavras: sofrimento e glória.

O ouro, depois de passar pelo fogo, alcança a glória de se tornar uma jóia. Cristo, depois de passar pela cruz e pela sepultura, alcançou a Ressurreição e a Glória Celestial. Assim acontecerá conosco. Isto não significa que seremos salvos pelo sofrimento. No caso do ouro, sua “salvação” aconteceu quando o garimpeiro lhe tirou da jazida ou do rio. Contudo, ali começava um processo para que ele alcançasse o melhor de seu potencial. Nós também sofremos para que o nosso caráter seja aperfeiçoado, de modo que nos tornemos cada vez mais parecidos com Jesus, vendo manifestar em nós o que podemos herdar e viver da natureza divina (II Pedro 1.4). Pelas quais ele nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas, para que por elas fiqueis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que pela concupiscência há no mundo.

O sofrimento do tempo presente pode parecer interminável, mas este não é o fogo eterno. O ourives está atento e retira o ouro do fogo assim que o processo tenha sido concluído. Existe um tempo determinado. Não devemos reclamar, mas agradecer a Deus por elas. Estamos nas mãos do Ourives Celestial, que está nos tornando cada vez mais úteis, preciosos e agradáveis aos Seus olhos.

Deus sabe o momento certo de encerrar a provação, e ele não permitirá que sejamos provados além das nossas forças!

FAMÍLIA

MEU SACERDÓCIO COMEÇA NA MINHA CASA!

 

Ponde, pois, estas minhas palavras no vosso coração e na vossa alma, e atai-as por sinal na vossa mão, para que estejam por frontais entre os vossos olhos. E ensinai-as a vossos filhos, falando delas assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te; E escreve-as nos umbrais de tua casa, e nas tuas portas; Para que se multipliquem os vossos dias e os dias de vossos filhos na terra que o Senhor jurou a vossos pais dar-lhes, como os dias dos céus sobre a terra.

Deuteronômio 11:18-21

 

A tarefa de cuidar da vida espiritual da família foi confiada ao chefe da casa, devendo ser reproduzida por todos familiares. Durante a caminhada do povo de Deus no deserto, o exercício da fé era essencial para manter vivos os seus sonhos. Por isso foi estabelecida uma disciplina religiosa que proporcionasse esta espiritualidade em cada família. Muitas pessoas querem que o pastor ou um líder religioso vá até sua casa para orar e abençoar esquecendo-se que também podem e devem fazer isso constantemente. Cada cristão é sacerdote em sua família.

Como ser sacerdote na família?

Vamos meditar em alguns aspectos ensinados no texto para exercer o sacerdócio em sua própria casa:

1- COMUNHÃO: v.18ª “Ponde, pois, estas minhas palavras no vosso coração e na vossa alma”

Uma das funções do sacerdote é a intercessão (Hebreus 7.25). Orar pelo povo é a rotina de um sacerdote. Por isso, a vida devocional é imprescindível para o sacerdócio familiar. Para que a Palavra de Deus esteja em nosso coração e alma é preciso uma dedicação em vida de leitura da Palavra e oração. Isso é comunhão com Deus. Busque a presença de Deus em sua casa orando e meditando nas Escrituras. Faça de seu lar um lugar de louvor e bênção. Para exercer o sacerdócio no lar não é apenas ‘fazer coisas’ como rituais. É preciso realmente ‘ser’ de maneira íntegra, alguém que vive com Deus. Se o seu coração e sua alma estiverem cheios da presença de Deus, logo isso será transmitido para sua família, “porque a boca fala do que está cheio o coração” (Lucas 6.45). Então se encha da Palavra de Deus até transbordar sobre seus familiares.

Ser Sacerdote da Família é viver em COMUNHÃO com Deus!

2- DISCIPLINA: v.18b e 20 “atai-as por sinal na vossa mão, para que estejam por frontal entre os olhos” “Escrevei-as nos umbrais de vossa casa e nas vossas portas”

O sacerdote do lar devia ter a Palavra de Deus de maneira visível até mesmo em sua própria mão para nunca esquecer. Como diz o ditado ‘o que não é visto não é lembrado’. Isso mostra a necessidade de uma disciplina e um cuidado para não deixar para amanhã o que deve ser feito agora. A Palavra de Deus diante da mão e dos olhos indicam que podemos orar a qualquer momento e nos umbrais das portas ensinam que ao entrar e sair de casa devemos estar em oração.

Se deixarmos para orar quando ‘der vontade’, corremos o grande risco de não fazer nada. Por isso é necessária muita determinação. Tome uma decisão de orar, ler a Palavra de Deus, cultuar de maneira disciplinada. Não deixe para orar com sua família ‘quando precisar’ e sim “orai sem cessar” (I Tessalonicenses 5.17). Escolha um dia e hora próprio para orar por sua família e com a família.

Ser Sacerdote da Família exige DISCIPLINA e determinação!

3- TESTEMUNHO: v.19 “Ensinai-as a vossos filhos, falando delas assentados em vossa casa, e andando pelo caminho, e deitando-vos, e levantando-vos”

Se o sacerdote da família tiver vida de oração e for disciplinado, mas não tiver testemunho de vida, tudo o que fizer será em vão, tornando-se um chato religioso (Tiago 1.22). Por isso o texto explica que o ensino deve acontecer durante todo o tempo da convivência familiar, tanto assentado, como andando e até deitado. Isso indica a necessidade de testemunho, pois se estiver falando uma coisa e fazendo outra é incoerente, então “falai de tal maneira e de tal maneira procedei” (Tiago 2.12).

No dia a dia da família é que se sabe quem é quem. O exemplo dentro de casa deve vir antes das palavras, para não dizer nas entrelinhas ‘faça o que eu mando e não o que eu faço’. Pregar o que não se vive é hipocrisia ou farisaísmo (Marcos 1.22).

Ser Sacerdote da Família é ser TESTEMUNHO de vida!

Seja sacerdote em sua casa!

CONCLUSÃO: v.21 “para que se multipliquem os vossos dias e os dias de vossos filhos na terra que o SENHOR, sob juramento, prometeu dar a vossos pais, e sejam tão numerosos como os dias do céu acima da terra”

O resultado deste sacerdócio é ter uma vida familiar longa, diferente do que vemos nos últimos dias quando as famílias se desfazem em pouco tempo. Mas a promessa de Deus para quem cumpre este ensinamento é que “se multipliquem os vossos dias e os dias de vossos filhos”. Então não perca tempo e comece a ser um sacerdote ou sacerdotisa em seu lar.

Não espere que outra pessoa venha a fazer isso, você mesmo pode ser “sacerdócio real” (I Pedro 2.9). O sacerdote do lar deve ter vida de comunhão com Deus em oração pela família, ser disciplinado no aprendizado e ensino da Palavra de Deus e principalmente dar testemunho de vida diante dos familiares.

 Você é sacerdote de Deus em sua casa!

microfone

A MÚSICA NA GUERRA ESPIRITUAL

microfone

 

1) “E quando o espírito maligno da parte de Deus vinha sobre Saul, Davi tomava a harpa, e a tocava com a sua mão; então Saul sentia alívio, e se achava melhor, e o espírito maligno se retirava dele” (I Sm 16:23).

 

Uma história muito conhecida pela igreja, porém, não copiada. Falo da unção de Deus que estava sobre a vida de Davi e que foi transferida para sua música. Era algo impressionante. Quando um espírito maligno perturbava o rei Saul, Davi tocava sua linda harpa e através do poder de Deus liberado em sua ministração, o tal espírito batia em retirada. Música para libertar!

A música sem dúvida é também um instrumento de batalha espiritual, Deus ordenou diversas vezes que ela fosse usada com esse intuito. Devemos prestar mais atenção no poder que a música tem e em como o diabo a tem utilizado para propagar destruição. Mensagens são transmitidas pela música, conceitos, doutrinas, filosofias etc…. Tudo isso constrói uma identidade, uma forma de pensar e agir. A música tem poder para marcar e transformar gerações. Tente imaginar um comercial de TV sem música! Em um contrato de marketing onde inclui uma propaganda o item mais importante depois da ideia é a música que será criada para apresentar, promover e vender o produto. O mundo utiliza bem a música, mesmo para seus intuitos obscuros.

Devemos rever toda a área de música para prosseguir nessa guerra espiritual contra os principados e potestades do mau. Devemos estar preparados para todo o tipo de ataque. O Diabo está usando a música para capturar almas e nós devemos reexaminar a música para descobrir como tomar de volta essas almas pelo poder de Deus.

Música é mencionada na Bíblia mais de 800 vezes. Isto pode fazer com que os crentes notem a ênfase que as Escrituras dão a esse assunto. Dança é mencionada cinco vezes, missões é mencionada doze vezes, ordem de brados 65 vezes, justificação é mencionada 70 vezes, ações de graças 135 vezes, santificação 72 vezes, canto 287 vezes, batismo 80 vezes, alegria é ordenada 288 vezes, tocando instrumentos musicais 317 vezes, louvor é mencionado e ordenado 332 vezes. Música é uma das formas que Deus quer que respondamos a Ele, baseado nas muitas referências que encontramos nas Escrituras.

Salmos 100:2 diz, “apresentai-vos diante dele com cânticos.” Isto é um protocolo. Se estamos indo a presença do Rei dos Reis e Senhor dos Senhores, nós devemos ir cantando. Música é importante e o Pai gosta disso. O maior livro da bíblia é um hinário com 150 capítulos que fica bem no centro, será que Deus quer nos dizer alguma coisa com isso? Claro que sim! Precisamos aprender a adora-lo para adora-lo cada dia mais! Efésios 1.6 – “Para louvor e glória da sua graça” “E direis naquele dia: Dai graças ao SENHOR, invocai o seu nome, fazei notório os seus feitos entre os povos, contai quão excelso é o seu nome” (Is 12.4

Deus ainda requer o louvor que é só Seu. Porque Lúcifer não está lá liderando os anjos do céu a encher o céu com a glória de Deus através de louvor e adoração, Deus está determinado a conseguir isso de outra maneira. Ele terá seu louvor e adoração através da Igreja. Ele conseguirá através de uma geração que não O adorará apenas porque essa é a Sua ordem, mas porque desejam louvar e adorar ao Senhor, em um ato de sua própria e livre vontade. Isto resulta honra e glória de Deus em uma forma muito maior que o louvor dos anjos. Deus tem determinado que a Igreja preencha o espaço que há no céu. Ele será glorificado.

“Tendo ele tomado conselho com o povo, designou os que haviam de cantar ao Senhor e louvá-lo vestidos de trajes santos, ao saírem diante do exército, e dizer: Dai graças ao Senhor, porque a sua benignidade dura para sempre. Ora, quando começaram a cantar e a dar louvores, o Senhor pôs emboscadas contra os homens de Amom, de Moabe e do monte Seir, que tinham vindo contra Judá; e foram desbaratados” (II Cr 20:21, 22).

Foi a famosa guerra sem luta! Diante do louvor dos levitas à frente do exército do povo de Deus, o Senhor mesmo feriu seus inimigos, concedendo a vitória mais uma vez a seu povo. A música era o principal instrumento de guerra dos filhos de Deus.

A música secular está sempre descobrindo uma forma de alcançar pessoas através de mensagens e apelações a certos pontos da personalidade humana. Ultimamente os grandes concertos de bandas mundialmente famosas têm apelado para o compromisso religioso da juventude. Os astros e estrelas da música buscam a devoção de seus fãs. Eles querem ser adorados. Ocultismo e apelos para o sobrenatural tem sido amplamente propagado através da música, e Satanás sabe muito bem o que pode fazer através deste instrumento.

O que a igreja pode fazer a esse respeito? Como livrar a nossa geração do domínio de Satanás através da música? Deus tem a resposta para essa questão. Ele quer nos preparar para não deixar que os demônios tenham a palavra final nesta geração. Ele está chamando a igreja para se levantar com a autoridade para destruir as obras de Satanás. Todos os espíritos do mal devem saber que não estamos acanhados ou intimidados. Estamos declarando guerra conta os planos de Satanás.

Antes de declarar guerra, é importante entender porque e como ele opera, nós devemos saber de onde vem a sua autoridade e poder pela Palavra. O nosso adversário conhece muito bem a música, ele é um mestre dos sons, ele criava música e ainda continua criando.

“Estiveste no Éden, jardim de Deus; cobrias-te de toda pedra preciosa: a cornalina, o topázio, o ônix, a crisólita, o berilo, o jaspe, a safira, a granada, a esmeralda e o ouro”. Em ti se faziam os teus tambores e os teus pífaros; no dia em que foste criado foram preparados” (Ez. 28:13).

Quer entender mais sobre adoração e música que Deus deseja para os nos nossos dias? Leve meu curso para sua igreja. ESCOLA PROFÉTICA DE ADORAÇÃO! Leve sua igreja a restaurar a adoração Davídica.

Abraço.

Pr. Daniel Moura

O espírito de Jezabel

Mas algumas poucas coisas tenho contra ti que deixas Jezabel, mulher que se diz profetisa, ensinar e enganar os meus servos, para que forniquem e comam dos sacrifícios da idolatria. E dei-lhe tempo para que se arrependesse da sua fornicação; e não se arrependeu. 

Apocalipse 2:20-21

Jezabel a rainha má descrita em I reis 21, já havia morrido a muito tempo quando João escreveu a advertência a igreja de Tiatira. João estava falando do espírito de Jezabel que prevaleceu através dos anos e se infiltrou na igreja levando engano, fornicação e idolatria. Sim, um espírito maligno que continua agindo ainda hoje.

Abaixo algumas características que acompanham a operação desse espírito maligno.

Abraço.

Pr. Daniel Moura

Eis aqui algumas características que acompanham a operação desse espírito demoníaco.

Lembre-se que as pessoas fortemente influenciadas pelo espírito de Jezabel apresentarão muitas delas, num momento ou outro, embora não necessariamente na ordem descrita. Uma característica isolada não indica que alguém tenha o espírito de Jezabel. Pode significar apenas que a pessoa é emocional e espiritualmente imatura. No entanto, sempre que houver uma combinação de várias dentre as 14 características relacionadas, isso será uma forte evidencia de que o indivíduo esteja debaixo de influência maligna.

Lembremos também que uma característica pode ser bem visível enquanto outra pode estar oculta, mas mesmo assim mostrar-se bem acentuada.

Uma manifestação prolongada de qualquer uma dessas características exige uma avaliação mais atenta do indivíduo e da situação.

1- Embora a princípio seja difícil perceber, o indivíduo sente-se profundamente ameaçado pelos profetas, os quais são seu principal alvo.

Embora ele pareça ter o dom de profecia, seu alvo na verdade é controlar aqueles que se movem na esfera profética.

2- Para aumentar seu favor, o indivíduo muitas vezes se aproxima do pastor e dos líderes locais e depois busca encontrar o elo mais fraco afim de dominá-lo. Seu objetivo final é governar toda igreja.

3- Em busca de reconhecimento do pastor e dos membros, o indivíduo forma associações estratégicas com pessoas que são reconhecidas como espirituais e têm influência na igreja.

4- Para parecer espiritual, o indivíduo busca reconhecimento manipulando as coisas e buscando tirar vantagem. Muitas vezes, compartilha sonhos e visões provenientes de sua própria imaginação ou que ouviu de outros.

5- Quando o indivíduo recebe um reconhecimento inicial, geralmente responde com falsa humildade. No entanto, tal atitude não dura muito.

6- Quando é confrontado, o indivíduo se coloca na defensiva. Ele justifica suas ações com frases do tipo “Estou obedecendo a Deus” ou “Deus me disse para fazer isso”.

7- Muitas vezes, o indivíduo alega ter grandes revelações espirituais sobre o governo da igreja, mas não busca autoridades legítimas. Em geral, primeiro compartilha suas opiniões com outras pessoas. Sua opinião pessoal muitas vezes se torna a “última palavra” sobre várias questões, fazendo com que se sinta superior ao pastor. No entanto, mesmo que sua revelação seja proveniente de Deus, ele prefere sair falando em vez de orar.

8- Com motivos impuros, o indivíduo busca se aproximar de outros. Parece desejar fazer “discípulos” e precisa de constante afirmação de seus seguidores.

9- Esse indivíduo prefere orar pelas pessoas em particular (em outra sala ou num canto isolado), para não ter de prestar contas a ninguém.

Assim, suas revelações e falsas “profecias” não podem ser questionadas.

10- Ansioso para conseguir o controle, ele reúne as pessoas e procura ensiná-las. Embora, a princípio, o ensino possa ser correto, ele apresenta “doutrinas” que não possuem fundamentos na palavra de Deus.

11- Enganando os outros com profecias carnais e falando aquilo que as pessoas gostam de ouvir, ele busca acima de tudo conseguir credibilidade. Profetiza meias verdades ou fatos pouco conhecidos, como se fossem revelações divinas, torcendo seus pronunciamentos anteriores e fazendo parecer que se cumpriram na íntegra.

12- Embora a imposição de mãos seja um princípio bíblico, esse indivíduo gosta de compartilhar um nível “mais elevado” no espírito e derrubar as paredes que prendem as pessoas, por meio da imposição de mãos. No entanto, seu toque transmite maldição. Em vez de uma benção santa, o que ele transmite mediante seu toque é um espírito maligno.

13- Mascarando uma autoestima deficiente com orgulho espiritual, ele deseja ser visto como a pessoa mais espiritual da igreja. Pode ser o primeiro a chorar, clamar, etc., afirmando estar recebendo uma carga de Deus. No entanto, não é diferente dos fariseus que queriam que suas boas ações fossem vistas e suas virtudes reconhecidas pelos homens.

14- Lamentavelmente a vida familiar desse indivíduo é turbulenta. Ele pode ser solteiro ou casado. Quando é casado, seu cônjuge geralmente é espiritualmente fraco, não convertido ou miserável. Esse indivíduo tem tendência de dominar todos os membros de sua casa.

Do livro “Desmascarando o espírito de JEZABEL” de John Paul Jackson

 

Se o meu povo

Se o meu povo se humilhar…

Se o meu povo

 

“Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar e orar, buscar a minha face e se afastar dos seus maus caminhos, dos céus o ouvirei, perdoarei o seu pecado e curarei a sua terra”.  2 Crônicas 7:14

Neste texto Deus expõe os requisitos para abençoar seu povo. Ele requer humildade, oração, devoção e arrependimento. Enquanto essa promessa foi originalmente dada ao Rei Salomão com respeito ao povo de Israel, é certamente aplicável a todos os que invocam o Senhor em arrependimento e fé. Este versículo é uma alta expressão da vontade de Deus para ouvir as orações de um povo arrependido.

Encontramos palavras semelhantes no Novo Testamento – “Aproximem-se de Deus, e ele se aproximará de vocês! Pecadores, limpem as mãos, e vocês, que têm a mente dividida, purifiquem o coração. 9Entristeçam-se, lamentem-se e chorem. Troquem o riso por lamento e a alegria por tristeza. 10 Humilhem-se diante do Senhor, e ele os exaltará. “(Tiago 4:8-10)

A exortação não é para não crentes. Deus está exortando o seu povo!

“Se o meu povo“ – Este é o começo das condições de que Deus está buscando para ser cumpridas antes de que Ele agirá. É claro que Deus está emitindo uma promessa condicional à Sua gente – façam essas coisas e responderei. Deus tem uma expectativa de coisas específicas, antes que Ele traz avivamento. Sabemos também que essas promessas são apenas para aqueles que depositam sua fé em Deus.

Muitas vezes esquecemos que o trabalho de avivamento sempre começa com o povo de Deus, por que? Deus tem que primeiro renovar o seu povo antes do trabalho real de ganhar almas para Cristo possa iniciar.

Quem se chama pelo meu nome“ – Deus é aquele que nos chama de entre os do mundo. Ser cristão significa que estamos destinados a nos destacar do resto do mundo. Devemos viver de um modo diferente do que o mundo, porque valorizamos coisas diferentes, valorizamos uma promessa eterna e valorizamos um estilo de vida diferente. Somos chamados a ser um sacerdócio santo, onde cada crente tem a responsabilidade para o ministério. Somos chamados a ser testemunhas de Cristo neste mundo para compartilhar a verdade e corajosamente procurar o Seu poder. Temos um compromisso moral, uma responsabilidade diante dos homens. “Zelar pelo testemunho! ” Os não crentes reconhecem Deus na igreja através das atitudes do seu povo. O testemunho de um cristão vale mais que mil palavras.

“Se humilhar“  A palavra humilde significa estar em submissão, e viver em um estado de rendição. Quando nos humilhamos, estamos dizendo literalmente a Deus, você está em controle da minha vida. Quando nos humilhamos diante de Deus estamos permitindo que Ele nos molde à Sua vontade e uma vez que permitimos que o Deus faça isto, não podemos permanecer o mesmo. A humilhação deve ser em todos os níveis – corpo – alma e espírito. Crentes almaticos (regidos pela alma) tem dificuldade em obedecer as direções do espírito. Eles são guiados por suas emoções e vontades e vivem em constante rebeldia ao espírito. O espírito do homem é o lugar de habitação do Espírito Santo, por isso o espírito deve ter controle sobre a alma e sobre o corpo.

“E orar“  Um dos princípios-chave do avivamento é um esforço concentrado em oração. Quando oramos estamos trazendo nossas vidas para encontrar-nos com Deus e no momento em que nos encontramos com o Senhor algo surpreendente acontece, Ele se verte em nossas vidas. É por isso que a oração é tão absolutamente essencial para experimentar o avivamento. A oração é a base de um relacionamento crescente com Deus e sem a oração o relacionamento nunca vai realmente crescer. Devemos ter uma conexão mais profunda com Deus se algum dia quisermos experimentar o avivamento em nossas vidas e em nossas igrejas. Cada dia tomamos uma decisão, de cultivar e crescer esse relacionamento com Deus, ou de estar satisfeitos onde estamos em nosso relacionamento com Ele.

Avivamento não é nada mais do que Deus entrando em uma relação conosco e preenchendo-a com Sua presença e poder de uma nova maneira. Se não estamos desenvolvendo este relacionamento com Deus, nunca iremos experimentar um avivamento pessoal, e precisamos de muitas pessoas com este tipo de compromisso para ter um avivamento na igreja e na nossa comunidade.

“E buscar a minha face“ – Para buscar algo de Deus significa primeiro ter o desejo profundo de ver que isso aconteça e então ativamente e persistentemente persegui-lo. Há um preço a ser pago para alcançarmos a resposta das nossas orações. E o preço é desenvolver um relacionamento sincero com Deus, buscando sua face e não as suas mãos. Geralmente entramos na presença de Deus buscando os nossos interesses e aquilo que ele pode nos dar, esse relacionamento interesseiro ao invés de nos aproximar, nos afasta de Deus, pois devemos buscar o reino em primeiro lugar, crendo que todas as demais coisas serão acrescentadas.

É render-nos à liderança do Espírito Santo e, em seguida, obedecendo ao que o Espírito diz. As igrejas hoje em dia não veem Deus se movendo porque as pessoas pararam de procurar. Deus disse estas palavras a Jeremias: “Vocês me procurarão e me acharão quando me procurarem de todo o coração.” (Jeremias 29:13). Nós só realmente encontraremos Deus e Seu poder de revivificação quando desejamos sinceramente só o que Ele pode nos dar. Uma vez que o desejo está lá, então nós temos que persegui-lo.

“E se afastar dos seus maus caminhos“ – O avivamento nunca vai acontecer na nossa vida, até que deixemos os nossos pecados. O pecado é nada mais do que escravidão pura. Quando reconhecemos nossa atitude errada e confessamos, renovamos o nosso relacionamento com Deus e Ele nos liberta. Deus percebe que há cristãos que ainda andam em maus caminhos. Que mentem, compram e não pagam, enganam e vivem em fornicação e adultério afrontando a santidade de Deus e escandalizando o nome do Senhor. Então, Deus propõe ao seu povo se desviar dos maus caminhos para que suas orações sejam atendidas.

Se hoje Deus está batendo na porta do nosso coração, precisamos nos humilhar, orar e buscar a face de Deus, desviar de nossos maus caminhos e Ele nos ouvirá dos céus, e Deus perdoará os nossos pecados e curará nossas vidas, famílias e igrejas.

Ao vencedor a coroa da vida será dada (Tiago 1:12) e com o Rei da Glória – aqueles que ACEITAM (Romanos 3:23), ACREDITAM (Romanos 5:8) e CONFESSAM (Romanos 10:9) – reinarão eternamente.

identidade

A identidade e o propósito da Igreja. Pt. 1

identidade

“Vocês, porém, são geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo exclusivo de Deus, para anunciar as grandezas daquele que os chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.  Antes vocês nem sequer eram povo, mas agora são povo de Deus; não haviam recebido misericórdia, mas agora a receberam”. 1Pedro 2:9

 A Igreja do Senhor Jesus precisa conhecer a sua identidade e seu propósito, e cada membro a sua função.

 

Identidade

A igreja de Cristo tem sofrido uma forte pressão na sua identidade.

O tempo vai passando e a igreja vai cedendo ás pressões do mundo, crendo no que o mundo crê, fazendo o que o mundo faz!

A igreja não tem direito de ter crise de identidade!

A crise de identidade fez Lúcifer cair, fez Eva desobedecer a Deus!

A identidade da igreja é definida pela palavra de Deus!

Texto do meu livro O Caminhar Cristão página 98

 

1 – A igreja para de crescer quando ela perde a sua identidade.

A crise de identidade é que levou Lúcifer a cair, querer ser alguém que ele jamais poderia ser: Deus.  A crise de identidade foi também o problema de Adão e Eva, eles desejaram como Lúcifer, ser igual a Deus. Foi com essa mesma tentação que Lúcifer também tentou o Senhor, ele quis semear uma crise de identidade no Senhor dizendo: “Se és o filho de Deus”. O diabo ainda hoje usa essa poderosa arma contra a igreja do Senhor, pois ele sabe que, se ele conseguir semear uma crise de identidade na igreja, ele a paralisa. Por esse motivo a nossa identidade deve ser um assunto resolvido em nossas vidas. Quem nós somos. Afinal, quem nós somos?

Somos “geração eleita”. A nossa origem é Deus! Somos filhos de Deus! Todo cristão tem de estar cônscio da sua identidade (Jo 1-12-13).

 Somos “sacerdócio real”. Somos sacerdotes espirituais, responsáveis em manifestar a glória de Deus e ministrar o louvor e sacrifícios espirituais aqui na terra.

A vida do cristão é uma vida de oferta e sacrifício a Deus. Devemos entender que quando colocamos a nossa vida no altar de Deus, como toda oferta, morremos pra nós mesmos. Agora, não podemos viver pra nós mesmos, pois morremos para o mundo e vivemos para Deus.

“Portanto, irmãos, rogo-lhes pelas misericórdias de Deus que se ofereçam em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus; este é o culto racional de vocês”. Romanos 12:1

Um sacerdócio de fazer discípulos:

“De ser um ministro de Cristo Jesus para os gentios, com o dever sacerdotal de proclamar o evangelho de Deus, para que os gentios se tornem uma oferta aceitável a Deus, santificado pelo Espírito Santo.” Romanos 15:16

Um sacerdócio de oferecer a Deus sacrifício de Louvor:

“Por meio de Jesus, portanto, ofereçamos continuamente a Deus um sacrifício de louvor, que é fruto de lábios que confessam o seu nome”. Hb 13:15

Sacrifício de repartir com os irmãos:

“Não se esqueçam de fazer o bem e de repartir com os outros o que vocês têm, pois de tais sacrifícios Deus se agrada. Hb 13.16

  • Somos “nação santa”.  Cidadão dos céus – João 1. 10-13; 17.14
  • Somos “povo exclusivo de Deus”.  Jr 1: 5

2 – A igreja para de crescer quando ela perde o seu propósito.

Toda fábrica precisa saber o que ela produz, como produz, quanto produz, a quem produz e tem de dar lucro. A Ferrari produz automóveis, a Microsoft produz programas para computadores, A Sony produz eletro-eletrônicos, a Coca Cola produz refrigerantes, etc. A igreja do Senhor Jesus produz discípulos! Este é o nosso negócio, este é o nosso chamado, fazer discípulos é a nossa missão, nós não fazemos outra coisa.

“Para anunciar as grandezas daquele que os chamou das trevas para a sua maravilhosa luz”.

3 – A igreja para de crescer quando os membros não assumem a sua responsabilidade.

A igreja é semelhante a uma fábrica que não pode parar mas deve continuar trabalhando incessantemente, gerando vidas, comunhão, espiritualidade, fé, etc….

Toda fábrica precisa de:

  • ·         Uma Identidade
  • ·         Uma Missão
  • ·         Operários

A Igreja do Senhor Jesus tem que conhecer a sua identidade e o seu propósito e cada membro tem que saber a sua função.

Deus já nos comissionou – “Novamente Jesus disse: “Paz seja com vocês! “Assim como o Pai me enviou, eu os envio.” Jo 20: 21

 Deus já nos abençoou – “E com isso, soprou sobre eles e disse: “Recebam o Espírito Santo. “Se perdoarem os pecados de alguém, estarão perdoados; se não os perdoarem, não estarão perdoados”. Jo 20: 22-23

 Deus já nos capacitou – “E a cada um de nós foi concedida a graça, conforme a medida repartida por Cristo. E ele designou alguns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres, com o fim de preparar os santos para a obra do ministério, para que o corpo de Cristo seja edificado”. Ef. 4:7, 11-12.

Estando, pois, conscientes de que Deus nos chamou, nos abençoou e nos capacitou. Conscientes de qual é a nossa identidade: filhos de Deus e cidadãos dos céus. Conscientes de qual é a nossa missão: proclamar o evangelho e fazer discípulos. Vivamos, pois, de modo digno da vocação a qual fomos chamados.

A graça e a Paz do Senhor Jesus Cristo.

est_bib_inconstanciadaalma

A inconstância da alma

Como você tem vivido? Como você tem lidado com sua fragilidade e com suas lágrimas? E quando você erra o caminho ou perde a direção, o que faz? Você sabe lidar bem com os aplausos mas se desespera com as vaias? Você se sente seguro quando tudo dá certo e perde o chão quando não enxerga o horizonte?

Você tem vivido sobre o controle da alma, inconstante e conduzido pelas emoções! Pessoas assim vivem em uma gangorra emocional ondem lidam muito bem com as conquistas, mas não sabe lidar com as derrotas e frustrações. A alma é instável, precisando sempre de fortes emoções e elogios. Pessoas que vivem por vista se guiam pelo que veem e pelo que sentem e não pelo que realmente acreditam. Elas se camuflam escondendo seu verdadeiro eu se rendendo constantemente as suas vontades e a vontade dos outros.

Geralmente pessoas que foram molestadas agem assim! A rendição no ato da violência fez com que a alma se curva-se gerando um trauma. Se curvar, se render, se entregar se tornou algo comum a essas pessoas. Elas geralmente preferem que outros decidam por ela.

Essas pessoas precisam além de cura emocional, aprender a viver em fé! Fé em Deus, fé na sua palavra, fé nelas mesmas! E viver em fé é ter uma certeza interior que independe de tudo ao nosso redor.

Viver em fé é uma decisão! É ter um bom ânimo independente das circunstâncias.

Quem vive guiado pelo espírito tem com certeza uma qualidade de vida superior porque anda por fé e não por vista se rendendo a vontade de Deus e não as suas vontades!

Por isso estamos sempre de bom ânimo, sabendo que, enquanto estamos no corpo, vivemos ausentes do Senhor (Porque andamos por fé, e não por vista). 2 Coríntios 5:6-7

Submissão, a questão final!

“Obedecei aos vossos guias e sede submissos para com eles”… (Hebreus 13:17a).

Porque muitos líderes não conseguem que seus liderados se submetam a sua liderança? Você pode pensar em várias respostas, quem sabe até mais desculpas do que respostas.
É sempre mais fácil falarmos:

– “Fulano é insubmisso; não aceita a minha liderança”.

Ou ainda:

– “As pessoas ainda não me enxergam como líder”…

No entanto, quero enfatizar que creio que liderança não é dada, e sim conquistada. Podemos ver na vida de Davi que ele nunca reivindicou a sua liderança, nem disse que ele tinha sido ungido rei. Mas as pessoas reconheceram a sua liderança. E olha que Davi tinha sido ungido como o homem que ia assumir o trono no lugar de Saul, mas mesmo assim ele nunca disse isso a ninguém… Uma das coisas que tenho aprendido no meu tempo de caminhada com Deus, é que os seus liderados serão aquilo que você é com o seu líder.

Como você tem se portado não apenas diante, mas também longe de seu líder? Você tem protegido as costas do seu líder ou você é o primeiro a atacá-lo quando ele está longe ou vulnerável? Preste bem a atenção, não quero ser redundante, mas preciso enfatizar: o que você tem feito ao seu líder, é o que os seus liderados farão a você. Você pode achar que estou sendo radical, mas não, estou sendo bíblico. É o princípio da semeadura e ceifa:

“Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois, com o critério com que julgardes, sereis julgados; e, com a medida com que tiverdes medido, vos medirão também” (Mateus 7:1,2).

Portanto, quero convidá-lo a observar e aprender com quatro grandes exemplos bíblicos de fidelidade aos líderes.

Josué e Moisés

O primeiro exemplo é encontrado na pessoa e atitudes de Josué. Observe o que as Escrituras dizem:

“Como ordenara o Senhor a Moisés, seu servo, assim Moisés ordenou a Josué; e assim Josué o fez; nem uma só palavra deixou de cumprir de tudo o que o Senhor ordenara a Moisés” (Josué 11:15).

Lembre-se que Moisés já era morto, e mesmo assim, como diz o texto acima; “nem uma só palavra deixou de cumprir”… Que coisa maravilhosa! Josué podia ter pensado: “Agora que Moisés é morto vou implantar o meu próprio estilo de governo. Ele era bom, mas já estava velho, sei que posso dar um toque de novidade nesse governo”.

Quero enfatizar algo: o que Deus fala não precisa de retoque, de enfeite algum de nossa parte. Deus é perfeito e quando Ele nos manda fazer algo, é para fazermos e não para acharmos que podemos melhorar o que Ele ordenou. Obedecer é não fazer nem mais, nem menos.

Josué mesmo tendo seu líder já morto, não deixou de cumprir uma única palavra daquilo que lhe foi ordenando. Mas infelizmente, hoje tem muito liderado que nem espera o seu líder virar as costas e já está colocando um toque seu naquilo que lhe foi pedido fazer. Ou às vezes o liderado até acaba fazendo, mas o seu coração está cheio de murmuração, reclamação. Acaba repetindo aquela história, em que “Joãozinho” não se levantava quando a professora fazia a chamada, então a professora conversou com seus pais, que repreenderam Joãozinho. No outro dia quando a professora o chamou, ele ficou de pé, mas disse consigo mesmo: “Estou em pé por fora, mas por dentro continuo sentado”.

É assim que muitos se comportam, por fora são submissos, mas por dentro maldizem seus líderes, murmuram e dizem que se fossem eles os líderes, fariam diferente. Eles acham que podem fazer melhor, que aquela não é a maneira certa. E não entendem quando olham para seus liderados e veem neles o mesmo tipo de insubmissão. Você pode pensar assim: “Um dia eu vou poder fazer tudo do meu jeito, então eles verão quem tem razão”. Atente para o que vou te dizer agora; você sabia que vontade de andar sozinho e poder decidir tudo por si próprio não é sinal de maturidade? A Palavra de Deus é quem declara isto:

“O solitário busca o seu próprio interesse e insurge-se contra a verdadeira sabedoria” (Provérbios 18:1).

Quanto mais você cresce diante de Deus, e quanto mais você O conhece, mais vai querer responder a alguém e estar debaixo da liderança de alguém, estar servindo. Pois ser servo é um segredo.

Arão, Hur e Moisés

Nosso segundo exemplo é encontrado em Arão e Hur. Observe o que a Palavra de Deus nos revela:

“Fez Josué como Moisés lhe dissera e pelejou contra Amaleque; Moisés, porém, Arão e Hur subiram ao cimo do outeiro. Quando Moisés levantava a mão, Israel prevalecia; quando, porém, ele abaixava a mão, prevalecia Amaleque. Ora, as mãos de Moisés eram pesadas; por isso, tomaram uma pedra e a puseram por baixo dele, e ele nela se assentou; Arão e Hur sustentavam-lhe as mãos, um, de um lado, e o outro, do outro; assim lhe ficaram as mãos firmes até ao pôr-do-sol. E Josué desbaratou a Amaleque e a seu povo a fio de espada” (Êxodo 17;10-13).

Aqui vemos um líder cansado. E seus liderados percebem isso, e vão ao auxilio dele; e sustentam as suas mãos até que a guerra seja ganha. Que coisa tremenda! Mas este quadro nem sempre se repete em nossos dias… Quantos hoje estão torcendo para que o seu líder se canse rápido a fim de tomar o seu lugar! Arão e Hur colocaram a pedra em baixo de Moisés, mas hoje muitos querem colocar a pedra em cima! Deus te chamou para ser como Arão e Hur, sustentar seu líder, poder olhar nos olhos dele e dizer: “Estou aqui para o que der e vier, conte comigo, quero lavar seus pés”. Não é fácil encontrarmos isso hoje em dia, todos querem ser líderes, mas nem todos gostam de servir, preferem ser servidos; não gostam de lavar os pés… A maioria quer aparecer, e poucos aceitam fazer a vontade de Deus na obscuridade, por trás dos bastidores.

Os soldados de Davi

O meu terceiro exemplo é encontrado nos soldados de Davi. Observe o que as Sagradas Escrituras dizem:

“De novo, fizeram os filisteus guerra contra Israel. Desceu Davi com os seus homens, e pelejaram contra os filisteus, ficando Davi mui fatigado. Isbi-Benobe descendia dos gigantes; o peso do bronze de sua lança era de trezentos siclos, e estava cingido de uma armadura nova; este intentou matar a Davi. Porém Abisai, filho de Zeruia, socorreu-o, feriu o filisteu e o matou; então, os homens de Davi lhe juraram, dizendo: Nunca mais sairás conosco à peleja, para que não apagues a lâmpada de Israel” (II Samuel 21:15-17).

Neste texto vemos Davi fatigado, e um gigante tentando matá-lo. Mas também vemos Abisai vindo a seu socorro, que reflete um princípio importante: nossos líderes não só nos protegem, mas também precisam de nossa proteção!
Depois vemos os homens de Davi fazendo um juramento de que nunca mais ele sairia à peleja com eles para que a lâmpada de Israel não se apagasse. Isto nos faz entender que temos que ser liderados com sensibilidade e discernimento espiritual, para podermos entender quando é hora de batalharmos pelos nossos líderes. Davi tinha matado um gigante, mas isso não queria dizer que ele é que tinha que matar todo gigante. Ele mostrou aos seus liderados como matar gigantes também; e na hora que foi necessário, um dos seus liderados mostrou que tinha aprendido como matar gigantes. Que discernimento dos homens de Davi! Ao dizerem: “Você, ó rei, não sairá mais a peleja, pois você é a lâmpada de Israel e vamos proteger você”.

Será que você tem tido está postura diante do seu líder? Como tem sido o seu comportamento? Como você tem ficado quando vê seus líderes cansados? Lembre-se que aquilo que você semear é o que você colherá!

Sem, Cam e Jafé

Nosso quarto exemplo de submissão e honra aos líderes é encontrado na vida de dois dos filhos de Noé: Sem e Jafé. Observe o que a Bíblia de Deus nos comunica:

“Sendo Noé lavrador, passou a plantar uma vinha. Bebendo do vinho, embriagou-se e se pôs nu dentro de sua tenda. Cam, pai de Canaã, vendo a nudez do pai, fê-lo saber, fora, a seus dois irmãos. Então, Sem e Jafé tomaram uma capa, puseram-na sobre os próprios ombros de ambos e, andando de costas, rostos desviados, cobriram a nudez do pai, sem que a vissem. Despertando Noé do seu vinho, soube o que lhe fizera o filho mais moço e disse: Maldito seja Canaã; seja servo dos servos a seus irmãos. E ajuntou: Bendito seja o Senhor, Deus de Sem; e Canaã lhe seja servo. Engrandeça Deus a Jafé, e habite ele nas tendas de Sem; e Canaã lhe seja servo” (Gênesis 9:20-27).

Esta é uma história conhecida. Noé plantou uma vinha e veio a se embriagar do próprio vinho que a sua vinha produzira. Cuidado com aquilo que você planta líder, pode ser que lá na frente isso possa te derrubar ou expô-lo. Cam, vendo que seu pai (líder) estava nu, foi correndo contar a seus irmãos:

– “Vocês não vão acreditar, nosso pai (líder) que parecia ser tão certinho, cheio de cuidado, de temor a Deus, está totalmente nu, e ainda está falando umas coisas estranhas”.

O que ele falou eu não ouvi, não está escrito, mas até imagino:

– “Venham correndo ver o nosso pai (líder) nu”.

Sem e Jafé, provavelmente comentaram:

– “Sem, você se lembra o que a Lei fala sobre descobrir a nudez do pai (líder) ”?

E imagino a resposta:

– “Claro Jafé, vou indo à frente para não deixar ninguém vê-lo assim, e você providencie rápido um lençol para cobri-lo”.

Chegando a tenda de Noé, talvez eles tenham se perguntado:

– “Como vamos entrar, se não podemos ver o nosso pai (líder) nu”?

Ao que um deles deve ter sugerido:

– “Vamos colocar o lençol nas nossas costas e assim entramos de costas para não vê-lo”.

Como você já sabe, foi assim que eles fizeram. Por isso receberam uma promessa de benção e Cam uma promessa de maldição. Quantos ministérios existem hoje, afundando ou já afundados por causa do erro de querer expor líderes! Quando alguns liderados tomam conhecimento de alguma coisa, já saem em desespero para contar a alguém, e contam até com um certo gosto em sua boca. Muitas vezes quando vemos alguém errando, em vez te tentar ajudar, corremos para contar para quantos conseguirmos:

– “Fulano caiu”!

E daí surgem outros comentários do tipo:

– “Eu já sabia…”

– “Eu já desconfiava”,

– “Eu não disse que isso ia acontecer? ”

Muitas vezes somos tão implacáveis que, se algumas pessoas estivessem debaixo do nosso ministério elas estariam perdidas. Como Pedro (quando traiu Jesus); Davi (quando adulterou); Noé (quando se embriagou e ficou nu); os discípulos (por terem abandonado Jesus na hora que ele mais precisava), e muitos outros. Deus perdoa, mas nós somos implacáveis e, por isso, quando erramos, as pessoas são implacáveis conosco.

Precisamos mudar o nosso conceito de liderança e de liderados.

Precisamos entender que o segredo é ser servo!

Deus te abençoe!

Prioridades da vida

“buscai, pois, em primeiro lugar…” Mateus 6.3

Introdução: Ao fazer um planejamento de vida, precisamos fazer uma ordem das prioridades. O que é mais importante? O que seria desnecessário? O que é urgente? O que é superficial? Ao entender estas prioridades, podemos acertar nas escolhas e ter sucesso na vida pessoal e todas as áreas da existência.

No Sermão do Monte (Mateus 5 e 6), Jesus deixa muitas orientações para uma vida feliz, pois sabia que o ser humano passaria nos últimos tempos por ansiedade e preocupações (Mateus 6.25). As palavras do Mestre parecem refletir a vida moderna no século XXI, onde as pessoas estão estressadas com sobrecarga de atividades e compromissos. Deus não criou o ser humano para viver sob pressão de obrigações que lhe são impostas pelo mundo, por isso manda olhar “as aves no céu” (v.26) e “os lírios no campo” (v.28) para refletir que Deus cuida detalhadamente das necessidades que temos (v.32).

O que é prioridade em sua vida?

Vamos refletir nas palavras de Jesus e entender o que Ele ensinou para ser prioridade em nossas vidas:

1- REINO – o que vem de Deus: “o Seu Reino”

A primeira coisa que Jesus ensinou que deve estar no topo de nossa lista de prioridades é o Reino de Deus. Talvez você pense que o Reino de Deus é algo muito extenso e que Jesus deveria ter esclarecido mais esta questão. Então o que seria o Reino de Deus? Em várias palavras Jesus comparou o Reino de Deus com coisas do dia a dia para ficar muito claro de maneira que todos pudessem compreender.
Nas palavras de Jesus, o Reino de Deus é semelhante a:

-“um homem que lança a semente na terra” (Marcos 4.26)
-“como um grão de mostarda” (Marcos 4.30-32)
-“como o fermento” (Lucas 13.20,21)
-“um tesouro escondido no campo” (Mateus 13.44)
-“um homem que busca boas pérolas” (Mateus 13.45)
-“uma rede lança ao mar” (Mateus 13.47)
-“um pai de família” (Mateus 20.1)
-“um certo rei, que celebrou as bodas do seu filho” (Mateus 22.2)
-“dez virgens que, tomando lâmpadas saíram para encontrar com o esposo” (Mateus 25.1)
Jesus também deixou claro que o Reino de Deus:
-exige arrependimento (Mateus 3.2)
-“nem todo o que disser Senhor, Senhor entrará no Reino de Deus” (Mateus 7.21)
-quem não nascer de novo não poderá entrar no Reino (João 3.3 e 5)
-os salvos recebem as “chaves do Reino de Deus” (Mateus 16.19)
-pertence aos pequeninos (Marcos 10.14) e aos pobres (Lucas 6.20)
-não haverá pecado (Marcos 9.47)
-é preciso ser humilde para entrar nele (Mateus 18.4)
-deve ser recebido como uma criança (Marcos 10.15)
-os que têm amor à riqueza dificilmente entrarão nele (Marcos 10.23)
-quem lança a mão do arado e olha para traz não é apto para ele (Lucas 9.62)
-requer renúncias para quem quiser recebe-lo (Lucas 18.39,30)
-é anunciado por sinais (Lucas 21.31)
-deve ser o tema da pregação da Igreja (Mateus 10.7)

Concluindo, o Reino de Deus pode ser considerado como tudo o que vem de Deus. Por exemplo, a família, a Igreja, a Palavra de Deus, a fé, amor e comunhão com Deus. Jesus disse que devemos orar pedindo “venha o teu Reino” (Mateus 6.10). Isso significa aceitar o domínio do Senhor em nossas vidas. Se você fizer uma lista de prioridades, coloque em primeiro lugar essas coisas. Nunca priorize objetos e fatos comuns. A família, a Igreja e a comunhão com Deus através de sua Palavra, representam formas práticas do Reino de Deus presente em nossas vidas. Você tem recebido o Reino de Deus em seus planos? Coloque o Reino de Deus em primeiro lugar na sua vida!

2- JUSTIÇA – o que é correto: “a sua justiça”

Em segundo lugar Jesus ensina que devemos procurar o que é justo, ou seja, tudo o que é correto e necessário para sua vida. Podemos dar como exemplo disso o trabalho, a saúde, realização emocional, amizades e estudos. Causas sociais de apoio humanitário também é exemplo de justiça que devem ser colocados em nossa lista de prioridades (II Coríntios 9.9).

Jesus prometeu que “Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos” (Mateus 5.6). Também alertou que podemos ser “perseguidos por causa da justiça” (Mateus 5.10) e que não adianta ser justo só de aparência como a hipocrisia dos fariseus (Mateus 5.20).

Como podemos saber o que é justo e correto? Jesus nos ensinou “não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça” (João 7.24). Para não ser iludido pelo mundo, conte com a ajuda do Espírito Santo pedindo discernimento para “convencer do pecado, do juízo e da justiça” (João 16.8).

Não é possível encontrar a justiça em nossas vidas sem primeiro ter o Reino de Deus como prioridade, pois somente Jesus deu exemplo “para demonstração da sua justiça, neste tempo presente, para que ele seja justo, e justificador daquele que tem fé em Jesus” (Romanos 3.26). Como filhos de Deus, precisamos aprender a fazer tudo o que é justo (I João 3.10), mas não de maneira legalista sendo justo aos próprios olhos (Eclesiastes 7.16).
Se você tem um negócio, seja justo com seus empregados e fregueses (Colossenses 4.1). Se você é empregado, seja honesto com seu patrão (Colossenses 3.22). Pague seus tributos (Romanos 13.7), quite suas contas (Romanos 13.8), entregue seu dízimo (Malaquias 3.10) e “Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus” (Lucas 20.25). Evite precipitações em momentos de crise “porque a ira do homem não opera a justiça de Deus” (Tiago 1.20).

Não há nada de errado em desejar formação profissional, cuidar da saúde, estudar, trabalhar, pagar as contas e nutrir relacionamentos saudáveis. Por isso, estas cosias também devem estar em seguida na lista pessoal de prioridades. Sendo coisas justas, certamente serão aprovadas e confirmadas por Deus. Não adianta só confiar em Deus e continuar fazendo tudo errado, também precisa fazer o que é justo e “confia no Senhor e faze o bem; habitarás na terra, e verdadeiramente serás alimentado” (Salmos 37.3).

Você tem buscado o que é justo em seus planejamentos? Busque o que é correto e Deus te abençoará com certeza!

3- DEMAIS COISAS – interesses: “todas estas coisas”

Em terceiro lugar e poderia dizer que por último na lista de prioridades, Jesus ensinou estarão as demais coisas. No contexto de Mateus 6, Jesus falava de vestes, comida, moradia, e diversas necessidades humanas que muitas vezes geram preocupação. O Senhor Jesus garante que quando cumprimos os dois primeiros itens da lista de prioridades ensinada por Ele que são primeiro o Reino de Deus e depois sua justiça, certamente as demais coisas virão como consequência.
Deus sabe de todas as nossas necessidades (Mateus 6.32), antes mesmo de falarmos (Salmos 139.4). Deus gosta de realizar nossos sonhos se primeiro “agrada-te do Senhor” e depois “Ele satisfará os desejos do vosso coração” (Salmos 37.4). Além disso, devemos primeiro “entrega o teu caminho ao Senhor” e depois “confia nele e o mais ele fará” (Salmos 37.5).

As demais coisas podem ser classificadas como coisas pessoais de segunda importância em relação ao que vem do Reino de Deus e ao que deve ser cumprido como justiça. Exemplo de demais coisas é a comida, as roupas, lugar para morar, coisas que deseja ter como móveis, carro e outros objetos. Embora sejam coisas necessárias para as pessoas, não podem ser a primeira coisa na lista de prioridades.

Se você tem vontade de comprar uma casa melhor, fazer uma reforma ou construção, adquirir um carro, se vestir bem, festejar com amigos e se alimentar bem, não há nada de errado nisso, mas não pode vir em primeiro lugar, “porque o reino de Deus não é comida, nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo” (Romanos 14.17).

Confie que Deus está cuidando de você e sua família, pois “até mesmo os cabelos da vossa cabeça estão todos contados” (Mateus 10.30). Não se preocupe nem fique ansioso com coisas pequenas, mas ore a Deus “lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós” (I Pedro 5.7).

Você crê que Deus cuida de tudo em sua vida, até as mínimas coisas? Se Deus está em primeiro lugar em sua vida, você também é prioridade para Ele!

Planeje sua vida de acordo com a vontade de Deus!

-CONCLUSÃO: “vos serão acrescentadas”

Certa vez ouvi uma pessoa experiente dizer que ‘tempo é uma questão de prioridade’ e mais tarde cheguei à conclusão que esta palavra é verdadeira. Você tem disposição para tudo o que é de seu interesse. As coisas menos interessantes vão ficando por último e quase sempre não sobra tempo.

Muitas pessoas buscam em primeiro lugar as demais coisas e depois querem que o Reino de Deus lhes seja acrescentado. Mas não é assim que deve ser. Deus não é nosso empregado para nos servir primeiro e depois receber a honra. Nós é que somos ovelhas do Senhor e devemos ir atrás Dele que nos guia à frente. O que tem sido prioridade em sua vida? “porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração” (Mateus 6.21).

Jesus sabia que as pessoas nos últimos tempos seriam pressionadas com uma enorme quantidade de coisas para fazer e por isso nos deixou a sabedoria necessária para viver bem. Coloque em primeiro lugar o que pertence ao reino de Deus, em segundo o que é justo e as demais coisas acontecerão naturalmente em sua vida. Deus quer acrescentar bênçãos em sua vida, mas precisa estar em primeiro lugar acima de tudo para você!