Sexo e Namoro

O Deus do Universo estabeleceu padrões e leis que devem ser seguidas, pois Sua intenção não foi frustrar ninguém, mas beneficiar suas criaturas. Ele sabe como devemos proceder, o que é melhor e o que pode nos prejudicar. Precisamos aprender a confiar em Sua sabedoria. Deus Se preocupa com nosso amadurecimento espiritual é por isso que nos pede pureza com relação ao assunto do sexo (II Co 11.2; Tt.2.4,5, 14; I Pe 3.2).

A palavra “puro” vem da raiz grega “hagnos”, que significa estar livre de toda mancha proveniente da depravação. Isto significa que precisamos refrear ou abster-nos de todo ato ou pensamento que incite desejos que não estão em harmonia com a castidade, virgindade ou votos conjugais de uma pessoa. Isto acentua a necessidade de abstenção ou restrição de toda ação ou excitação sexual que possa corromper, degradar ou violar a pureza de uma pessoa diante de Deus. Inclui, também manter seu próprio corpo em “santificação e honra” (I Ts 4.3,4), e não dado a “paixões de concupiscência” (I Ts 4.5). Esta instrução da palavra de Deus é tanto para os solteiros como para os casados.

– Termos bíblicos para a imoralidade sexual

A palavra “Pornéia” (grego) significa – prostituição. Seu sentido é amplo – refere-se a todo tipo de utilização de nossa sensualidade fora dos laços matrimoniais, tais como:
-defraudação – vem do termo “pleonekteo”- que significa privar outra pessoa da pureza moral e castidade que Deus deseja para a mesma, a fim de satisfazer seus próprios desejos. Despertar os desejos sexuais em alguém, os quais não podem ser satisfeitos licitamente. (I Ts 4.6; Ef 4.19).

-fornicação – “porneia” – descreve uma variedade de atividades sexuais antes e fora do casamento. Incluindo tocar as partes íntimas do corpo ou ver a nudez de outra pessoa. (Lv 18.6-30; 20.11,12,17,19-21; I Co 6.18; I Ts 4.3).
-adultério – relação sexual com alguém casado;

-homossexualismo/lesbianismo – relação sexual entre pessoas do mesmo sexo;
-Incesto – relação sexual com pessoas da família;
-bestialidade – relação sexual com animais.

Todos estes e outros não recebem a bênção de Deus, mas somente o leito matrimonial (Hb 13.4). Imoralidade é pecado contra o próprio corpo (I Co 6.15-20). Se você é filho de Deus, Ele o disciplinará quando O desobedecer, para corrigi-lo para o seu bem. Você terá a bênção de Deus somente através da obediência à Sua Palavra.

1- QUAL A IDADE PARA O NAMORO?

Antes dos 16 anos é complicado assumir namoro, pois este relacionamento depende de maturidade. É indispensável conversar com os pais a respeito. Devem preocupar-se mais em desenvolverem atitudes amadurecidas do que terem pressa em “amarrar-se” a alguém. Adolescentes – aproveitem seu tempo com boas amizades, passeios, conversem com pessoas interessantes, ampliem e enriqueçam seu universo. Usem e abusem da boa leitura e vivam para Deus.

2- COMO POSSO SABER O QUE SINTO REALMENTE?

Paixão – pode surgir de repente, como um raio que corta o céu. Ela acontece porque achou a(o) garota(o) o máximo, sem ter a mínima idéia de suas qualidades e defeitos. A paixão na verdade só vê a outra pessoa como um meio de conseguir alguma coisa: sexo, segurança, carinho. Alguém pode estar apaixonado por duas ou três pessoas ao mesmo tempo, vivendo nas nuvens sonhando, fora de órbita e da realidade. Para o apaixonado o visual da outra pessoa é fundamental. A paixão gosta muito de estar com a outra pessoa pela excitação sexual que ela provoca. Uma pessoa apaixonada usa “máscaras” para estar sempre “agradando” e não decepcionar o outro. As afinidades nem sempre são fortes e definitivas. A atração é mais física do que emocional e intelectual. Seus pais acham antes de pensar em algo mais sério que é preciso dar muito mais tempo.
Amor – cresce devagar, como se fosse uma árvore e continua crescendo mesmo depois de perceber que a outra pessoa dá suas mancadas. O amor está interessado no bem-estar e felicidade da outra pessoa, por isso se dedica exclusivamente a uma pessoa. O amor sonha, mas sem exageros. Ele sabe equilibrar os sonhos com a realidade. Para quem ama, o relacionamento total é mais importante do que a atração física. O amor gosta de estar com a outra pessoa por amizade, companheirismo, carinho. O amor é o que é, já que quer viver ao lado da outra pessoa, não tem medo de mostrar suas falhas e virtudes. Há muita afinidade nos interesses, alvos, valores, atividades ou mesmo num bate-papo. Seus pais gostam dele(a) e o(a) incentivam a conhecê-la(o) melhor.

3- ATÉ ONDE PODEM IR AS CARÍCIAS?

O corpo do homem e da mulher são bem diferentes e reagem de modos diferentes aos apelos sexuais. O rapaz reage ao que vê, por isso é importante que as moças tenham cuidado ao se vestirem, podem estar “defraudando” qualquer rapaz. Enquanto que a moça reage ao ser tocada, pouco a pouco, até que a chama tome força. Tome cuidado, não se deixe ser tocada em demasia. Não confie em sua própria capacidade, você não consegue resistir.
O mundo em que vivemos e sua mídia tende a controlar nossos sentimentos, pensamentos e atitudes. Facilmente somos influenciados por uma novela, filme, música, revista pornográficas, out-doors e conversas picantes com amigos. Tudo isso pode estimular a explosão dos desejos contidos. Num casal as carícias tendem a evoluir, se não derem um basta não agüentarão a força incontrolável do desejo e acabarão em relações sexuais sem pensar nas conseqüências futuras. Um olhar sensual ou uma roupa, são maneiras de um jovem defraudar outro.

4- COMO POSSO ME GUARDAR PARA MEU FUTURO CÔNJUGE?

Decisões a serem tomadas:
– Não ficarem sozinhos em qualquer lugar que seja, mas sempre perto de pessoas;
– Evitar beijos, carícias e aproximação prolongada dos corpos para que não haja excitação;
– Carícias por baixo da roupa estimulam à defraudação;
– Planejar atividades em grupo, evitando longos períodos a sós;
– Coloquem a bíblia como regra de fé e prática, estudando-a e aplicando-a juntos;
– Cultivem o hábito de lerem bons livros que os ajudem sobre o assunto em pauta;
– Participarem das atividades da igreja para desenvolverem um relacionamento com outras pessoas;
– Acima de tudo, reconheçam que seu namorado(a) pertence ao Senhor e não a você.

5- PARA QUE SERVE O NAMORO?

Oferecer aos jovens uma chance para que conheçam e desenvolvam uma amizade, um companheirismo. Conhecer-se como?

– Descobrindo como é a personalidade, o temperamento um do outro. Se têm afinidade, entendimento mútuo, se combinam em diversas áreas. É o tempo de conhecerem o caráter um do outro e ajudarem-se mutuamente a conquistar o caráter de Cristo. Para o amor o tempo é o maior amigo do casal. É necessário tempo para saber:
– Se o outro é paciente e não perde a calma com facilidade;
– Como reage às suas fraquezas;
– Como age quando sua vontade não é satisfeita;
– Como reage aos problemas que a vida traz;
– Se é organizado(a) ou descuidado(a);
– Como reage à autoridade dos pais;
– Se é preguiçoso(a) ou ativo(a);
– Se o relacionamento pode durar sem a prática do sexo;
– Se é companheiro(a), amigo(a), honesto(a) e verdadeiro(a);
– Se é uma pessoa que estabeleceu alvos futuros ou é desanimada, apática;
– Se é possessivo(a), ciumento(a) e briguento(a);
– O que pensa sobre Deus.

É muito importante orarmos para sabermos quem é a pessoa preparada por Deus para estar ao nosso lado durante toda a vida, e observar algumas características importantes nele(a):

– Se tem bom senso, paciência, bom humor, auto-controle, consideração, boas maneiras;
– Se é otimista, sensível, bondoso, asseado e sabe ser econômico;
– O mais importante – se é obediente aos pais. Da mesma maneira como ele(a) tratar seus familiares, tratará você quando se casarem. Ajude-o(a) a viver para o Senhor. A harmonia e felicidade de seu futuro casamento dependem de sua capacidade de tratar seus pais e irmãos em casa e de sua disposição em submeter-se à liderança que Deus instituiu em sua vida. Por isso é importante estarem em harmonia em seus lares.
– O sexo antes do casamento prejudica nossa amizade com Deus. Somente o arrependimento pode restaurar a comunhão com o Senhor (I Jo 1.9). Mesmo assim Satanás continuará acusando, mas o sangue de Cristo o limpa;
– Interfere na comunicação do casal. Cega o casal a respeito de outros aspectos importantes de seu relacionamento. Traz uma nuvem de culpa no relacionamento e entre o casal e Deus. Não sentem mais prazer em conversar sobre seus projetos e os de Deus para suas vidas, visam somente satisfazer seus impulsos sexuais;
– O amor “Eros” (erótico) torna-se prioridade e não o “Ágape”. O desejo por sexo torna-se mais forte que o desejo de obedecer a Deus;
– Pode levar à dependência e vícios sexuais;
– Tira o brilho, o encanto da noite de núpcias (Ct 4.12). – Salomão compara sua esposa a um jardim fechado a quem homem algum abrira o portão e nem andara entre suas flores e frutos, pisando-os e maculando-os. Não importa se todos os seus amigos pratiquem sexo por aí dizendo ser legal, pois para Deus não é e você sofre conseqüências com isto. Ele quer que tanto rapaz, quanto a moça entreguem na noite de núpcias a chave do portão do jardim de delícias e encantos;
– Oferece maior possibilidade de se contrair alguma doença venérea, as quais são muito perigosas;
– Surgem ressentimentos, amargura entre o casal;
– Corrói o respeito e a confiança mútua, tão importantes no casamento (II Tm 2.22). Promove conseqüências, cicatriz de viver pelo resto da vida com a dúvida de que seu cônjuge poderá cometer o mesmo erro, só que com outra pessoa, mesmo que haja perdão mútuo. Deus conhece seu dia de hoje e todos os seus amanhãs;
– Corre o risco de uma gravidez indesejada, abortos e abandono;
– Diminui a auto-estima das pessoas. Sem a auto-estima saudável a pessoa torna-se insegura. O sexo geralmente é uma ferramenta utilizada para sustentar essa auto-estima; o rapaz gaba-se de sua virilidade para se promover. A moça explora seus atrativos para ter os homens a seus pés e sentir-se valorizada. Quando a pessoa tem consciência de seu valor, porta-se à altura. QUEM VOCÊ É? Você é filho(a) do Rei dos reis, do Deus Todo Poderoso e deve portar-se à altura;
– Medo de comparações com experiências passadas. Prejudica a reputação;
– Pode causar efeitos prejudiciais aos futuros filhos. Provoca experiências extraconjugais;
– Abala o relacionamento do jovem com seus pais.

A espera para a prática do sexo apenas no casamento demonstra amor, desenvolve uma forte amizade entre o casal e tem a bênção de Deus. Esse processo deve estabelecer o alicerce de um relacionamento duradouro, mas quando a intimidade física atropela a intimidade emocional, intelectual e espiritual o alicerce é enfraquecido.

O namoro deve ser a três – rapaz, moça e Deus. Se não há ambiente para oração no namoro, alguma coisa está errada no relacionamento. A oração deve ser a prática mais espontânea dentro e fora do namoro.
Mesmo que a sociedade ache os padrões de Deus “quadrados”, precisamos nos lembrar de que o importante é o pensamento de Deus.

“Lembra-te do teu Criador nos dias da tua mocidade, antes que venham os maus dias e cheguem os anos dos quais dirás: Não tenho neles prazer” (Ec 12.1).

Namoro

Definição – Fase de conhecimento social e amoroso entre um homem e uma mulher que pretendem se casar. Segundo o Dr. Aurélio significa dentre outros, cativar, amar, cativar, atrair, cortejar, etc. Para alguns teólogos é a fase do conhecimento.

Namoricos

Atualmente, de acordo com a Região, existem muitas palavras de indicam um namorico. Flerte, paquera, esbarro, esbarrão, tapa, xaveco, ficar, etc. Entendendo que estes tipos de ajuntamento não se enquadram nos padrões ético-cristãos.

Namoros não recomendáveis

Namoro à moda mundana como fazem alguns famosos. Muitos são arranjados ou simplesmente por interesses; outros não menos perigosos como: Interesse dos pais, Cobertura financeira.

Namoro do cristão

Os namorados se relacionam compromissados visando a um futuro noivado e matrimônio dentro do modelo social familiar, priorizando um profundo amor, e nunca a paixão.

Epístola de Paulo aos namorados?
Seria mais cômodo se o Apóstolo Paulo tivesse escrito uma Epístola aos namorados e constasse: ?O rapaz, ao atingir a maioridade e quiser namorar, deverá amar preferencialmente uma moça, membro de sua denominação cristã; em seguida comunicar o seu interesse aos seus pais, que, se de acordo, comunicará ao pastor presidente?. Seria bom? Claro que não, o melhor é o que está posto. O jovem o direito de escolha. Deus por Sua Sabedoria o paradoxo – Por Soberania faz o que quer e pelo Arbítrio o jovem escolhe.

Padrão

Alguns líderes espirituais que proíbem aos namorados andar de mãos dadas, abraçar, encontrar-se a sós, beijo na boca. Alguns limitam a idade, outros conferem a situação no rol de membros, etc. Creio que os verdadeiros guardiões devem ser os próprios pais ou seus prepostos. Eles têm maior conhecimento e podem atuar dentro das verdadeiras necessidades e nos assuntos íntimos.
Não existe um código de conduta para namorados, mas alguns princípios, se forem observados, certamente irão contribuir em muito.
Antes
Orar a Deus para que o coração não se enamore pela pessoa errada;
Procurar alguém que confesse a mesma fé;
Ter cuidado com as profecias dos Vasos;
Não desprezar conselhos dos pais.

Durante
? Ter uma vida de oração, leitura da Palavra de Deus e jejum;
? Participar de todos os eventos possíveis programados para a juventude da igreja;
? Observar horário e dias do namoro;
? Evitar ficar a sós ou em local suspeito;
? Não conversar sobre quaisquer assuntos que despertem a libido;
? Não se expor com assuntos que possam deixar desconfortável caso o namore termine;
? Solicitar ajuda aos pais ou preposto, ou o pastor responsável para assuntos de difícil decisão;
? Ser fiel e amar sinceramente, ?tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai?. Fp 4.8
? Só proceder de forma exemplar para o mundo, ?Vós sois o sal da terra… a luz do mundo?, Mt 5.13,14.
? Só tratar de assuntos relativos ao noivado quanto estiver certo da decisão de casar.

Depois
Caso venha terminar o namoro
? Não comentar com terceiros sobre o namoro;
? Não divulgar defeitos ou virtudes;
? Continuar amigos e manter o respeito como da forma anterior.

Terminando um namoro
O período de namoro é visto pela sociedade como um compromisso menos relevante do que o noivado; o que pode ser conferido ao observar a pouca repercussão resultante do seu fim. Portanto, o casal não deve continuar, se perceber que não tem motivação que o leve até o fim.
Santidade
Os namorados e os noivos devem permanecer castos até a celebração do seu matrimônio. Os que perderam a sua virgindade antes de aceitar a Cristo como Salvador, ou por outros motivos, não estão isentos deste dever; devem se guardar até à celebração do seu matrimônio. Por outro lado quando o casal se controla nas carícias sensuais acaba valorizando em muito a sua lua-de-mel. Convém fazer uma analogia das jóias preciosas que as guardamos melhor quando valem mais.
Dia dos Namorados ? é uma importante data comemorada a 12 de junho.
Amor e a Paixão
Amor – É controlado, É gradativo, Não se transforma em ódio, Busca a qualidade do caráter, Apresenta-se como de fato o é, Procura dar mais do que recebe,
Paixão – É descontrolada, É súbita do início e término, Esfria subitamente, Transforma em ódio, Busca só a aparência, Não se apresenta como o é de fato, É egoísta.
O jugo desigual
O jugo, ou canga é uma peça de madeira, de formato simétrico, que se coloca no pescoço dos bois; tem cordas ou correntes amarradas para puxar o carro ou arado. A formação de juntas com animais diferentes comprometerá o seu desempenho por serem incompatíveis. A Palavra de Deus se posiciona claramente sobre a necessidade de igualdade de jugo. ?Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis? 2 Co 6.14 ?Com boi e com jumento juntamente não lavrarás? Dt 22.10. ?não permitirás que se ajuntem misturadamente os teus animais de diferentes espécies; no teu campo, não semearás semente de mistura, e veste de diversos estofos misturados não vestireis? Lv 19.19.
Avaliação de compatibilidade
Durante o período de namoro deve fazer uma séria avaliação das possíveis desigualdades. No começo do relacionamento é mais fácil fazer ajustes para evitar um maior sofrimento no futuro.
Algumas desigualdades que devem ser consideradas e tratadas
Religiosa, Profissional, Social, Cultural, Lazer, Psíquica, Física.

Pontos de vista
Primeiro ? O cristão não deve, de forma alguma, namorar ímpios. Este grupo usa como respaldo o texto de Paulo em 2 Co 6.14-17.
Segundo ? A decisão é pessoal. Cada caso é um caso. Deus pode tocar no coração do não convertido e torná-lo um verdadeiro cristão ao longo do processo.
Terceiro – Define radicalmente que a comunhão entre crente e descrente no namoro não tem nada a ver. Citam, ?De maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus?, Rm 14:12.
Dizem que em toda regra há exceção, entretanto é mais seguro ficar com o primeiro grupo.
Eu dependo da graça de Deus.
Bibliografia
Almeida , João Ferreira de. Bíblia Sagrada. Edição Revista e Corrigida na Grafia Simplificada. Rio de Janeiro: Imprensa Bíblica Brasileira, 1997.Gilberto, Antônio. O Casal Cristão. Rio de Janeiro: Seminários Bíblicos Semanais.
Souza, Ivan da Silva de. Namoro, Noivado e Casamento : Apostila. Rio de Janeiro, 1980.
Rene, Basileu. E Criou Deus a Família : Comportamentos que Definem um Bom Relacionamento Conjugal . Rio de Janeiro : Edição V Semear, 2000.
Lira, Eliezer. Lições Bíblicas : Lição 3 – Namoro, Noivado e Casamento. Rio de Janeiro: CPAD,1994.

0 respostas

Deixe o seu comentário

É obrigatório inserir seu nome e email.
Não publicaremos ou usaremos seu email. Esta medida serve apenas para evitar spans nos comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *